Gomes Clube das Lutas e Atividades Físicas

iniciou suas atividades, no fim do ano de 1979, informalmente no fundo do quintal da casa de minha mãe, no bairro do Coroado 1, nesse mesmo período, eu estava há um ano na prática do Karate Do; arte marcial na qual comecei formalmente a prática, embora informalmente, já praticasse desde 1977, juntamente com o boxe, também de maneira informal. 

Permaneci na prática do Karate, até 1984, como faixa preta, porém, meu professor Danilo Trindade, fechou a academia, para ingressar na faculdade de direito, e dedicar-se à religião. Só em 1985, inicie a prática do Taekwondo, com o professor Madeley Albuquerque, que também iniciará naquele ano. Em 1986, fomos o primeiro, juntamente com outro atleta Francisco das Chagas, a ir a um campeonato brasileiro de Taekwondo, primeira participação de amazonenses. 

Em 10 de janeiro de 1987, foi fundada oficialmente, a ASSOCIAÇÃO GOMES DE TAEKWONDO, a primeira do estado, a ser registrada oficialmente em cartório. Nesse mesmo ano no Rio de Janeiro, foi realizado meu exame para faixa preta primeiro Dan, com o mestre Yong Min Kim, só vindo a ser homologado em 1988. Deste período para cá, à Associação, ganhou 10 títulos estaduais, e vários outros títulos, em eventos promovidos pela Federação, por associações e clubes. 

A história da academia, confunde-se com a história do Taekwondo amazonense, no entanto, hoje, por ter agregado outras modalidades, mudamos o nome para: GOMES CLUBE DAS LUTAS, já que além do Taekwondo, oferecemos também, Karate, Judô, Jiu-jitsu, Muay Thai, Boxe, e também oferecemos outras atividades como: Funcional de Lutas e Funcional. Também oferecemos atividades recuperativas como: Fisioterapia, Pilates, Quiropraxia, Acupuntura e Massoterapia.

Nossos profissionais são altamente qualificados, com profissionalismo comprovado.
GOMES CLUBE DAS LUTAS, está localizada à rua Ouro Preto 394, Coroado 2, terceiro andar. Nossos números para contato são : (92) 991912340 e (92) 991294855. Ou pelo email: limagomes2007@yahoo.com.br

Conheça nossas modalidades

Taekwondo

Hoje um dos desportos mais populares do mundo, o Taekwondo (com essa denominação) é relativamente recente, apesar de ser uma herança de milénios de história e tradições coreanas.

Os primórdios remontam ao século I A.C., quando a região que é hoje a Coreia se encontrava dividida em três reinos: Shilla, Koguryo e Paekje. Já desde esses tempos ancestrais que os povos desenvolviam técnicas de combate corpo-a-corpo, utilizando-as não só para as guerras que se iam sucedendo, mas também para competições e torneios. Pensa-se que terá sido no reino de Koguryo que surgiu o Taekkyon, a forma mais antiga de Taekwondo que é conhecida, mas foram os guerreiros de Shilla que acabaram por desenvolver e divulgar a arte.

Com a Dinastia Koryo, e consequente unificação da península, o Taekkyon foi utilizado ainda mais como instrumento de luta, com aplicação directa ao exército. Se até então a vertente recreativa desta arte marcial ainda assumia uma forte componente na sua essência, passou a ser desenvolvida e estudada como arma militar, capaz de decidir combates e guerras. Nos primórdios desta dinastia, a perícia em Taekkyon era mesmo o único requisito necessário para admissão e subida hierárquica no exército coreano. Ao mesmo tempo, desenvolveu-se também o combate competitivo entre os próprios guerreiros, o que pode ser considerado como o nascimento da vertente desportiva da arte marcial nacional.

No entanto, a invenção da pólvora e de outras armas relegaram o Taekkyon para segundo plano, e acabou mesmo por se transmitir de geração em geração apenas como costume popular. O advento da Dinastia Yi, em grande parte baseada no confucionismo (que rejeitava este tipo de práticas), também contribuiu para a perda de importância das artes marciais tradicionais, que a um dado ponto mais não eram do que um jogo de crianças.

A ocupação japonesa em 1910 quase desferia o golpe final nesta tradição milenar. A proibição de costumes populares (incluindo a interdição explícita de Taekkyon) foi uma das estratégias de opressão do povo coreano, e por pouco não teria mesmo sucesso! Contudo, esta estratégia acabaria por se tornar uma faca de dois gumes: parte da população abandonou a sua terra, procurando refúgio na vizinha China, e outros partiram para o Japão. O contacto com estas duas culturas permitiu o contacto com as respectivas artes marciais, com vários coreanos a aprenderem Kung-Fu e Karaté.

O fim da ocupação em 1945 originou uma enorme necessidade de reafirmação dos valores nacionais, e é nesse âmbito que nascem várias escolas de artes marciais, nalguns casos lideradas por praticantes de Kung-Fu e Karaté. Ao mesmo tempo que algumas se especializavam nestes estilos estrangeiros, outras pretenderam retomar as tradições perdidas, recuperando artes marciais antigas como o Taekkyon.

É neste contexto que nasce o Taekwondo como o conhecemos, fruto da investigação do passado secular dos costumes e tradições coreanas, mas também influenciado por artes marciais chinesas e japonesas. É em 1955, uma altura em que já abundavam escolas e mestres, e se davam os primeiros passos na divulgação internacional dessa arte marcial, que surge a proposta de unificação nacional da arte marcial, dotando-a de identidade e denominação próprias: é aí que é adoptado o termo Taekwondo, e a actividade é aplicada ao exército coreano.

Deste então, tem-se verificado uma sucessão de marcos históricos na divulgação e crescimento a nível nacional e internacional do Taekwondo. Em 1971 é nomeado desporto nacional da Coreia, e um ano depois é criado o Kukkiwon, o centro da modalidade, responsável pela sua gestão, investigação e desenvolvimento a nível global. Um ano depois é criada a World Taekwondo Federation, órgão máximo mundial responsável pela organização de torneios e competições, e principal divulgador internacional desta arte marcial.

Aquele que é talvez o momento mais alto da história do Taekwondo é a sua presença nos Jogos Olímpicos de Seul, na condição de demonstração do desporto nacional (um velho costume dos Jogos Olímpicos entretanto extinto). O sucesso dessa presença levou à sua repetição, com o mesmo estatuto, em 1992 (Barcelona), até que o Taekwondo foi oficialmente adoptado como modalidade olímpica em Sidney, em 2000. Constitui, a par do Judo (e num sentido mais lato, do Boxe e da Luta Livre), o restrito leque de artes marciais com esse estatuto!

Judô

Como se trada de um resumo judô, vamos passar rapidamente pela história do esporte. O judô foi criado por Jigoro Kano, um professor de educação física japonês no ano de 1882. O principal objetivo de Kano era desenvolver uma arte marcial com o foco na defesa pessoal, sem deixar de exercitar o corpo e a mente.

O Judô é baseado no Jiu Jitsu, e todos os movimentos foram escolhidos com muito cuidado, sempre dando ênfase nos movimentos que precisassem de menos energia e focassem nos pontos vitais do oponente.

Jigoro Kano desenvolveu então regras claras e métodos para que fosse mais fácil ensinar a nova modalidade de luta e pensou cuidadosamente em princípios básicos, que até hoje são difundidos entre todos os praticantes. Entre estes princípios, podemos citar o de menor esforço, isto é, utiliza-se sempre a força do próprio oponente contra ele.

Por este motivo, o judô é considerado uma luta mais completa e que celebra, além da força do corpo, o controle da mente e uma experiência muito mais racional do que simplesmente física. Com o passar dos anos, o judô ganhou o mundo e se tornou uma das lutas marciais mais praticadas em todos os cantos.

No Brasil, a primeira escola de judô surgiu no ano de 1910, na cidade de São Paulo. Japoneses e não japoneses passaram a praticar a luta. No ano de 1925, já havia praticantes nos estados do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e até no Pará e não demorou muito para que se espalhasse por todo o território nacional.

Informações técnicas e regras do judô

Como foi explicado no início do deste artigo, a luta possui alguns princípios básicos que precisam ser conhecidos antes de começar a praticar. Os princípios são três:

  • Princípio de Seiryoku Zen’Yo – ou da Máxima Eficiência
  • Princípio de Jita Kyoei – ou da Prosperidade e dos Benefícios Mútuos
  • Princípio de Ju – chamado de princípio da suavidade

Os atletas que lutam judô, são chamados de judocas e se dividem em duas categorias distintas: kyu e dan. Há 8 graus de kyu e 10 graus de dan. Para conseguir superar cada uma das categorias, são realizados testes e avaliações.

Os kyus são representados pela cor da faixa utilizada pelo atleta. Em ordem crescente, as cores das faixas da categoria kyu, são:

  • Branca
  • Cinza
  • Azul
  • Amarela
  • Laranja
  • Verde
  • Roxa
  • Marrom

Todos os atletas principiantes devem começar a lutar com a faixa branca. A faixa cinza é entregue somente para judocas com idades inferiores a 15 anos e a azul é a segunda faixa para judocas maiores de 15 anos. A faixa amarela é a quarta faixa para judocas com idades abaixo de 15 anos e a faixa a marrom, a última, para todos os judocas.

As graduações dan, também são representadas por cores. De forma crescente, temos a preta, para primeiros a quintos dan, a faixa vermelha com branco, para os sextos a oitavos dan, e por último a faixa vermelha, para nonos ou décimos dan.

O objetivo da luta de judô é ganhar a luta e o que determina a vitória é a quantidade de pontos. Cada golpe possui uma diferente pontuação. Um yuko vale um terço de pontuação e acontece quando se imobiliza o oponente por 10 a 14 segundos ou quando ele cai de lado.

Um wazari vale meio ponto e acontece quando se imobiliza por 15 a 19 segundos ou quando não se consegue aplicar um ippon da forma correta. Por último, um ippon, vale um ponto completo e ocorre em um movimento perfeito levando ao nocaute, ou uma imobilização por 25 segundos.

No judô também existem penalizações, que podem ser consideradas leves – um shido, ou sérias, um Hansoki-make, que desqualifica totalmente o atleta.

Um dos pontos mais marcantes do judô é o respeito pelo oponente, pela luta e a cortesia entre os atletas. Por isso, sempre devem-se fazer saudações antes e ao término das lutas. No judô, há duas saudações, o Za-rei, de joelhos e que deve ser feito ao iniciar e ao terminar um treino, ou em outros momentos especiais, e o Tati-rei ou ritsu-rei, feito em pé e que deve ser feito ao entrar ou sair no dojô.

Dojô é a área como é chamada o local onde se pratica o judô ou outra atividade marcial. Ele é considerado como a casa dos praticantes durante a luta e por isso, quando se entra ou sai dele, é preciso agir com respeito e cordialidade.

O judô é uma luta cheia significados. Trata-se de uma prática que envolve respeito, disciplina e coragem. Quem pratica o judô, está também praticando a sua própria mente.

Karatê

O karatê é uma arte marcial japonesa que surgiu na ilha Okinawa. A história do karatê começa quando o monge indiano Bodhidarma caminha da Índia para China querendo fundar um mosteiro budista. Além dos conceitos de contemplação do budismo, Bodhidarma levou uma técnica de luta sem armas, com objetivo de manutenção da saúde e autodefesa, dando início as artes marciais.

Okinawa pertencia a China durante a dinastia Ming e o intercâmbio cultural foi inevitável. Após o final da dinastia Ming, Okinawa passa a ser dominada pelo Japão. Querendo evitar uma rebelião, os japoneses proíbem o uso de armas de fogo em Okinawa. A população começou a utilizar pés e mãos como forma de defesa, os mestres selecionavam os alunos e seus treinos eram secretos. A repressão da elite japonesa era tão grande que foi comparada com a perseguição a capoeira no Brasil Imperial.

No séc. XIX com a liberação do uso de armas de fogo, a história do karatê muda, a partir daí, o karatê começa a ser praticado com enfoque em educação física e fundamentação espiritual, sendo introduzido como educação física em 1905.

O principal responsável por popularizar o karatê fora de Okinawa foi o mestre Gichin Funakoshi. Em 1916 fez a primeira demonstração pública, na cidade de Kyoto, em 1921 faz uma apresentação para Hiroshita, o futuro imperador do Japão. Em 1923, o mestre Funakoshi se muda para Tóquio com intuito de propagar o karatê no Japão, sempre buscando formar homens como cidadãos úteis a sociedade.

Após a derrota japonesa na 2ª Guerra Mundial, as forças Norte Americanas dominaram o Japão e proibiram a prática do karatê. Porém, alguns alunos de Funakoshi convenceram que o karatê era um esporte inofensivo, além disso, alguns soldados americanos estavam interessados em aprender aquela nova arte marcial. Assim com a imigração japonesa, o karatê se propagou pelo mundo ganhando adeptos de várias nações do mundo.

Gostou do artigo? Confira nosso portfólio de cursos na área de Educação Física e Esporte e utilize o certificado dos cursos para complementar suas atividades acadêmicas.

Muay Thai

O Muay Thai, o qual também é conhecido como Thai Boxing em alguns países como Estados Unidos e Inglaterra, é muito conhecido no Brasil como Boxe Tailandês e é uma Arte Marcial Tailandêsa com mais de 2.000 anos de idade. A origem do Muay Thai confunde-se com a origem do povo Tailandês. Existem várias versões sobre a origem do Muay Thai. A mais aceita pela maioria dos Mestres de Muay Thai e também por vários historiadores Tailandeses é a seguinte:

Segundo os Tailandeses, a origem de seu povo é a província de Yunnam, nas margens do rio Yang Tsé na China Central. Muitas gerações atrás eles migraram da China para o local onde atualmente é à Tailândia em busca de liberdade e de terras férteis para agricultura.

Do seu local de origem, a China, até o seu destino, os Tailandeses foram constantemente hostilizados e sofreram muitos ataques de bandidos, de Senhores da Guerra, de animais, e também foram acometidos de muitas doenças. Para protegerem-se e manterem à saúde, eles criaram um método de luta chamado “Chupasart”. Este método de luta e auto-defesa fazia uso de diversas armas como por exemplo: espadas, facas, lanças, bastões, escudos, machados, arco e flecha, etc.

No treinamento do “Chupasart”, frequentemente ocorriam acidentes que causavam algumas vezes graves ferimentos aos praticantes. Para que eles pudessem treinar sem ferir-se, os tailandeses criaram um método de luta sem armas, o percursor do atual Muay Thai. Assim eles podiam exercitar-se e treinar mesmo em tempos de paz e sem o risco de ferir-se.

No início, o Muay Thai era muito parecido com o Kung Fu Chinês. Um fato normal levando-se em conta à origem do povo Tailandês. O antigo Muay Thai utilizava-se de golpes com as palmas das mãos, ataques com as pontas dos dedos, imobilizações e mãos em garras para segurar o oponente. Com o tempo, ele foi modificando-se e transformou-se no estilo de luta que é hoje.

Em muitos períodos da história tailandêsa o Muay Thai foi muito popular entre os tailandeses. Principalmente no perído do Rei Pra Chao Sua ou “Rei Tigre” como era mais conhecido. Ele foi um dos maiores lutadores de Muay Thai da história. Durante o seu reinado o Muay Thai fazia parte da preparação militar e era ensinado em todas as escolas.

Outro grande lutador de Muay Thai foi um lutador chamado Nhai Khon Tom. Segundo as lendas ele foi capturado pelos Birmaneses durante um dos inúmeros conflitos entre os Birmaneses e os Tailandeses. Quando capturado, foi-lhe oferecida a liberdade se ele conseguisse derrotar alguns lutadores Birmaneses. O resultado foi que ele foi libertado após vencer seguidamente 12 lutadores Birmaneses.

Até por volta de 1920 os lutadores não usavam luvas e nem qualquer outro tipo de proteção. Os lutadores simplesmente usavam tiras de algodão, tiras de cânhamo ou de crina de cavalo enroladas nas mãos. Alguns antigos treinadores falam que em algumas lutas antigas, os lutadores faziam uso de cola e vidro moído nas ataduras. Mas, isso não é totalmente confirmado pela maioria dos historiadores. Algumas vezes também eram utilizadas cascas de cocos como protetor genital. As lutas não eram divididas por pesos e também não existiam intervalos durante as lutas, os lutadores lutavam até que um dos lutadores fosse nocauteado, sofresse uma grave lesão ou até à morte de um deles.

Após 1920, algumas regras de boxe inglês foram adaptadas para o Muay Thai devido ao alto grau de lesões que estavam ocorrendo entre os lutadores. Dentre elas as divisões por peso, o uso de luvas, a inclusão dos rounds e também a inclusão do árbitro central juntamente com os juizes laterais. Mas, muitas coisas restaram das antigas lutas, como o uso de um conjunto musical com antigos instrumentos e que serve para dar o ritmo da luta. Conforme a luta está muito amarrada, sem ação, os músicos aumentam o ritmo de sua música para aumentar o ritmo de luta dos lutadores. Este conjunto é formado pelos seguintes instrumentos: três tipos de tambores diferentes, címbalos e flautas de “Java”. Outra tradição mantida é o uso do Wai Kru. O qual é uma dança ritual que serve para homenagear o treinador, seus pais, sua escola de Muay Thai, os antigos lutadores de seu ginásio, seus professores na escola, etc. Outra tradição que é mantida no Muay Thai é o uso do “Mongkon” O “Mongkon” é uma faixa a qual é colocada na cabeça dos lutadores para protegê-los antes da luta e que é retirada após o Rammuay. A “Kruang” é uma corda trançada que é colocada em um ou nos dois braços do oponente também com o objetivo de proteção, suas cores estão relacionadas com as preferências de cores do lutador, no Brasil é usado como graduação. A “Kruang” não é retirada após o Rammuay, como o “Mongkon”, ela permanece com o lutador por toda a luta.

Na Tailândia as academias e ginásios são chamados de “campos”. Por isso é muito comum ler-se em livros e revistas de Artes Marciais internacionais citações ao nome de alguns “campos” de Muay Thai. Na verdade, tratam-se de ginásios de Muay Thai. Na Tailândia a rotina em um ginásio é muito diferente da rotina do ocidente. Os lutadores geralmente começam seu treinamento com a idade de 6 ou 7 anos. Eles quase sempre mudam-se para o ginásio, morando em alojamentos junto com outros lutadores. A parte do treinador é providenciar: comida, roupas, acompanhamento médico, e estudo para o lutador. Em troca disto, o lutador deve simplesmente treinar arduamente e também cuidar da limpeza do ginásio. Mas, o maior compromisso deste lutador é esforçar-se para ser o melhor lutador, um verdadeiro campeão. Quando o lutador vai lutar, geralmente uma vez por mês, ele concorre à um prêmio em dinheiro, este prêmio é dividido entre o lutador e o seu treinador. Sendo que a maior parte do dinheiro vai para o treinador. Na Tailândia também é permitido apostar nas lutas, e o treinador geralmente também aposta em seu próprio lutador, conseguindo assim mais algum dinheiro. Em toda à Tailândia existem milhares de campos de treinamento, cada campo é dirigido por um treinador principal, que também conta com a ajuda de seus auxiliares e com o gerenciamento de um promotor, o qual promove os lutadores deste campo. Mas, muitas vezes o treinador também é o promotor do ginásio.

Em Bangkok existem dois grandes estádios aonde pode-se ver lutas de Muay Thai, eles são o Lumpini e o Rajadamnerm, Cada um deles tem lutas em dias diferentes. Alguns dias por semana, principalmente aos domingos, também passam lutas de Muay Thai pela televisão.

Na Holanda precisamente em Amsterdã existem muitas academias de Muay Thai, Onde muitas delas participam do evento K-1, na qual a Holanda é a grande campeã dos titulos deste evento, que hoje é o maior evento do mundo.
Na relação de países onde o Muay Thai é mais desenvolvido é mais ou menos à seguinte: Thailandia, Holanda, Austrália, Inglaterra, França, Brasil, Japão, Coréia, Estados Unidos, etc.


Significado da palavra MUAY THAI: Arte livre

  • MONGKON: é uma corda trançada em forma de coroa com uma ponta que é usada e colocada na cabeça dos lutadores, na qual pertence ao seu treinador. É retirado pelo treinador antes de se iniciar o combate e simboliza toda a energia, gratidão e dedicação daquela escola com o passar dos anos, ou seja, o Mongkon é o símbolo material da perseverança e honra de seus ancestrais.
  • RAM MUAY: é uma dança E o ri timo musical tocado, um ritual que antecede um combate. O Muaythai segue a doutrina budista em suas saudações e costumes. Seu ritmo lento cujos movimentos servem de concentração para ambos os lutadores, sendo acompanhado por uma musica típica tailandesa após o WAI KRU (a baixo verá significado), o boxeador ajoelha-se com a face voltada em direção à sua escola, cobre os olhos com as luvas e recita curtas orações (cada escola tem sua forma de apresentação, executando movimentos diferentes).
  • KRUANG ou PRAJIED: é uma corda trançada que é usada em um ou nos dois braços (bíceps) do boxeador. Na qual tem a finalidade de mostrar o nível de graduação do boxeador. Segundo os tailandeses, após benzê-lo e fazer alguns banhos com ervas sagradas, tem a finalidade de proteger o lutador. Na Tailândia o Prajied é usado como proteção e também como graduação no Brasil.
  • WAI KRU: significa respeito ao professor (Whai Significa respeito e Kru Significa Professor), é um ritual característico do Muay thai, que resume claramente a essência espiritual e cultural dos ancestrais guerreiros tailandeses. O Whai Kru é realizado sempre antes do inicio das lutas e é acompanhado pela musica tradicional tailandesa que possui um ritmo lento e marcado.

FILOSOFIA DO MUAY THAI (SAUDAÇÕES):

A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE MUAI THAI e todos os praticantes no Brasil utilizam o sistema tailandês de saudação, ao entrar e sair do local sagrado de treino, assim como, ao ver o treinador e colegas de treino, o aluno saúda a todos com a expressão Muay Thai , Thai ou Ossi, que significa todo o respeito ao próximo, ao local de treino, alunos, atletas, Instrutores, Professores, Mestres e Grão Mestres.

Hierarquia:

Desde quando o Muay Thai se iniciou no Brasil no ano de 1979, foi colocada uma graduação somente usada no Brasil, que antigamente era usada em forma de faixa na cintura, a quatorze anos que é utilizado o Kruang (Prajied), uma corda no braço esquerdo do lado do coração com a mesma coloração que foi definida em 1979. No Brasil existe uma hierarquia formada através dos anos de dedicação onde existe cinco tipos de graduação: O aluno se enquadra da graduação branca até azul clara ponta azul escura, quando chega na graduação azul escura se torna um Instrutor que poderá dar aulas com a autorização da CBMT, na sequência o Instrutor Máster que é da graduação azul escura ponta preta, quando se torna grau preta o atleta é denominado professor, após existem os Mestres e Grão Mestre.


GRADUAÇÃO NO BRASIL:

  • BRANCA
  • BRANCA PONTA VERMELHA
  • VERMELHA
  • VERMELHA PONTA AZUL CLARA
  • AZUL CLARA
  • AZUL CLARA PONTA AZUL ESCURA
  • AZUL ESCURA (INSTRUTOR)
  • AZUL ESCURA PONTA PRETA (INSTRUTOR MASTER)
  • PRETA (PROFESSOR)
  • PRETA E BRANCA (MESTRE)
  • PRETA BRANCA E VERMELHA (GRÃO MESTRE)

Boxe

boxe ou pugilismo é um esporte de combate, no qual os lutadores usam apenas os punhos, tanto para a defesa, quanto para o ataque. A palavra deriva do inglês to box, que significa bater, ou pugilismo (bater com os punhos), expressão utilizada na Inglaterra entre 1000 e 1850.

 

Remontando aos séculos XVIII e XIX, quando de seu nascimento na Inglaterra, o boxe era praticado com as mãos nuas. Essas lutas com as mãos descobertas eram frequentemente brutais, de modo que o boxe acabou sofrendo intensas mudanças em 1867, com a formulação das Regras de Queensberry, que previam rounds de três minutos, separados por um intervalo de um minuto, além do uso obrigatório das luvas. Essas regras entraram em vigor em 1872.

O boxe foi primeiramente considerado um desporto olímpico em 688 a.C., na 23ª olimpíada da antiguidade; seu vencedor foi Onomastus de Esmirna, que foi quem definiu as regras do esporte. Posteriormente, quando houve o ressurgimento dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, nas Olimpíadas de 1896, em Atenas, o boxe não foi incluído como uma das modalidades da competição. O boxe então somente retornou nas Olimpíadas de 1904, a terceira da Era Moderna, em St. Louis, e desde então foi praticado em todas suas edições posteriores, com exceção às Olimpíadas de 1912, em Estocolmo.

muay thai (lit. boxe tailandês) descende de uma arte marcial tailandesa chamada muay boran (lit. boxe antigo), que incorporou regras e movimentos do boxe inglês. Os golpes dados com os punhos são praticamente os mesmos, porém em uma luta de muay thai é permitido usar os cotovelos, os joelhos e as canelas para golpear os adversários.

Jiu-jitsu

Jjiu-jitsu é uma arte marcial que foi desenvolvida no Japão. O principal objetivo é imobilizar o seu adversário através de golpes nas articulações, principalmente braço e tornozelo, e nos estrangulamentos.

Uma das principais características do jiu jitsu é utilizar a força e o peso do seu próprio adversário contra ele mesmo. Isso possibilita que um combatente bem menor que o seu oponente possa vencê-lo.

Técnicas do Jiu jitsu

jiu-jitsu também é uma luta que se utiliza de muitas técnicas no chão, ou seja, o combate é na maioria disputado com os oponentes em contato permanente com o tatame. A luta pode ser decida com uma imobilização com os lutadores deitados.

Jiu jitsu no Japão

O jiu jitsu chegou a ser tão importante para o governo japonês que foi proibido, com um decreto imperial, de ser ensinado fora do país ou para não descendentes. E quem descumprisse essa lei era severamente penalizado.

Até o surgimento do Judô, o jiu-jitsu foi a arte marcial mais praticada no Japão. Assim como todas as outras, sofreu com a Era Meiji, em que popularizou no país as armas de fogo em detrimento das lutas.

jiu-jitsu começou a perder espaço para judô quando a polícia de Tóquio organizou uma disputa entre as maiores escolas das duas artes marciais para saber qual seria ensinada para os oficiais. O judô venceu com uma larga vantagem.

Escolas de Jiu jitsu

As 10 principais escolas de jiu-jitsu japonesa são: Araki-ryu, Daito-ryu aiki-jujutsu, Hontai Yoshin-ryu, Sekiguchi Shinshin-ryu, Sosuishitsu-ryu, Takenouchi-ryu, Tatsumi-ryu, Tenjin Shinyo-ryu, Yagyu Shingan Ryu e Yoshin Ryu.

Jiu jitsu no Brasil

No Brasil, o jiu-jitsu chegou em 1917 através de Mitsuyo Maeda. O mestre ensinou os conceitos da luta para Carlos Gracie, membro da família de lutadores que difundiu o esporte por todos os cantos do país.

O esporte praticado aqui no Brasil é muito diferente do que o original criado no Japão. Os brasileiros aprimoraram o combate no chão, e o nosso estilo ficou bem mais baseado na técnica do que na força.

 As graduações no jiu-jitsu seguem o seguinte padrão de faixas: Branca, Amarela , Laranja, Verde, Azul, Roxa, Marrom e Preta. Os Dans são da cor preta até a 5ª graduação, passa a ser vermelha e preta nas três próximas e fica toda vermelha nas duas últimas.

Golpes do Jiu jitsu

Os principais golpes do jiu-jitsu são: Queda e TriânguloOmoplataMata-LeãoMão de VacaGravata técnicaEstrangulamentosChaves de braço e Armlock.

Horários de treino

Professores da Gomes Clube das Lutas

Grão-Mestre Raimundo Gomes 

Mestre Alexandre Gomes

Professor Theomário da Silva Azevedo

Grão-Mestre Raimundo Gomes 7º Dan

Grão mestre Raimundo Gomes, é faixa preta sétimo Dan de Taekwondo, e faixa preta de Karatê, sendo o responsável pelas aulas de Taekwondo e Karate na academia, sua história junta-se à história da academia, mesmo tendo feito o Boxe e o Karatê informalmente desde 1987, só veio a praticar de maneira formal, o Karatê, em 1989, com o professor Danilo Trindade, permanecendo na prática, até 1984, quando o professor Danilo, deixou a academia, para dedicar-se à faculdade de direito e ao evangelismo. 

Em 1985, iniciou-se no Taekwondo, com o professor Madeley Albuquerque, que naquele ano, havia iniciado um trabalho com Taekwondo em Manaus, em 1986, junto com Francisco das Chagas, representou o Taekwondo amazonense pela primeira vez, em um campeonato brasileiro em 1986 em Brasília, em 1987, fez exame para faixa preta primeiro Dan em Taekwondo, vindo a ser homologado somente em 1988. 

Foi campeão amazonense em 1986, 1988 e 1994, tendo participado de três campeonatos brasileiros, respectivamente 1986, 1988 e 1994. Foi terceiro lugar no brasileiro de master em 2004 na categoria até 63 kg. 

Foi presidente da Federação de Taekwondo do Amazonas de 1997 a 2016, fundou a Liga de Taekwondo do Amazonas e ajudou a fundar outras associações de seus alunos, em 2012 formou-se em Educação Física, de 2013 a 2015, fez especialização em Esportes de Lutas de Alto rendimento através do IOB-COB no Rio de Janeiro. É autor dos livros : Mãos Vazias 1987 (sobre o Karatê ) e Elo Cósmico 1990 (poesia ). 

Ganhador de Comenda do Kukiwon (quartel general do Taekwondo na Coréia ), por relevantes serviços prestados ao Taekwondo Brasileiro e diversos outros prêmios. É atualmente, Coordenador de Artes Marciais da Confederação Brasileira de Taekwondo – CBTKD.

Mestre Alexandre Gomes 5º Dan

Alexandre Dantas Gomes 

Faixa Preta 5º Dan

Campeão da Copa dos Mestres 

Campeão Brasileiro Universitário 

11 Vezes campeão amazonense entre outros títulos.

Professor de Educação Física.

Theomário da Silva Azevedo

Graduação de Muay Thai 7° Khan azul/branco. 

Federação Gaúcha de Muay Thai Asiático | Associação Gaúcha de artes marciais

CMTB: Confederação de Muay Thai do Brasil

Liga Sok Thai , que é a filiado ao Campo PAHUYUTHAI INTERNACIONAL MUAY THAI CAMP.

Equipe

North Warriors | Muay Thai

Kru Rodrigo Barbosa

Copyright® Rizoney Rocha 2019

Feito por: Alternativa Service LTDA